10 maio 2011

me aconteceu lembrar lembranças

hoje aprendi que não posso ser mais rápida que os ônibus. porque meus pés não alcançam, porque meu fôlego é de fumante e meu sono é de pedra. cogito uma casa. agora. cogito escrever livre, sem medos desnecessários. quero construir a palavra e pintar as paredes e sair pra almoçar e parar de ficar assim envergonhada, sem saber como ajeitar os ombros no corpo. hoje, dentro do ônibus indo pra puc, desejei forte um último desejo: abraçar meu cachorro que um dia sumiu e sentir o cheirinho dele.

Um comentário:

Xisto, M. disse...

Choray, de verdade...