30 agosto 2009

eu sou um pouco de tudo que gosto, ouço e saboreio. às vezes dói en myn. às vezes em segundos, vezes outras em terceiros. dói porque me dôo. dói porque tu te doas. doamos y doemos e voamos e será sempre assim, um círculo louco de altas dosagens porque, é verdade, estamos ainda engatinhado e engatinhar machuca demais, dói em quem tem pouca experiência, em quem não está ainda apto a tal exercício. dói porque não temos muita referência e essa enlouquecedora ânsia de desejar e viver tudo ao mesmo tempo - nós queremos show, nós queremos a confraternização intermitente, a sociabilidade, nós queremos pessoas sorrindo - naturalmente atrapalha a mente. entretanto, ao invés de conquistar o desejável, tropeço em meus princípios e falho, me descabelo e despejo o que há de mais podre em meu vocabulário tal qual louca mulher sem controle algum sobre o que rege. (não faço aqui apologia ao erro e sim à normalidade transitória da vida.) peço desculpas àqueles a quem ofendi. peço desculpas à vida, mãe de minha alma, por errar em demasia. estou apenas tentando encontrar a posição exata da língua ao discernir dá de tá enquanto a sobriedade me tira o ar...

Um comentário:

Xisto, M. disse...

Tirou de letra, sista.