22 julho 2009

Conversas com Beautiful Bird

Eu poderia ser a mulher do tempo. Diz.



(Veja bem, não estamos estabelecendo personagens. Essa pressa curiosa é o mais trivial à nós, extraterrestres.)

Bem verdade que aqui acaba a luz o tempo todo. E eu, guess what, abandonei estrada adentro-afora a pressão e o peso que era carregar o desejo e a insaciável sede do português encorpado; meu português eu que faço. É meu, é natureza minha. But they're still so charming... E eu aqui, tomo um gole, mastigo um insight que não vai dar em nada, uma banalidade qualquer, uma endoscopia. E ele a caetanear um "as a matter of fact" ao vivo, num brasinglês ondulado, londrino, com ginga (como pode?). O cara tem pés de veludo... Como pode? Só podia mesmo ser Caetano Veloz.

Veja: economicamente falando, prazer, je m'appelle banqueroute, mas ainda assim (fé!) acredito no bom gosto. O bom gosto é sempre salvador.

Foi muito, muito atrevido morder um ouriço, Beautiful Bird.

Admiro, Beautiful Bird, nossa coragem diária ao acordar, abrir os olhos e enfrentar a selva, cada vez mais hermética e louca; cada vez mais rápida e animalesca. Estão todos, Beautiful Bird, preocupados demais com o saldo bancário. Por que diabos realizar que somos animais de zoológico? Tão confinados quanto. E, Beautiful Bird, sou contra o sistema zoological. ZOO - LOGICAL.

Quero minha fatia...... meu pedaço justificável de solitude urbana.


No meio da concrete jungle, B.B... estamos fodidos. E eu quero meu mastro, quero minha bandeira, quero a porra do meu metro quadrado. Não estamos na China, porra! Quero meu direito de musicar lições morais que me enfiam goela abaixo todo santo dia. Oh, porca hierarquia! Foda-se. Gosto pra caralho de grana. Gostas não tu?

Estalar louco de dedos.. dopação dopação.. que doidêra, man..

Meus caros, devo informá-los. O jornal, amanhã, deve mentir.

Or to speak more elegantly.. viver é uma merdinha de faca de dois gumes, bicho... que caralho...

3 comentários:

aaluah disse...

sempre que paro para observar as pessoas, imagino que estamos na selva e vejo todo mundo de juba.

Xisto, M. disse...

Todo mundo de juba, podes crer.

Faquinha de dois gumes, oh fucking céus no meio de prédios.

Anônimo disse...

"Mulher do tempo".

Faz muito - que não me toca tão lá fundo.